Alcorão – História, significado, e curiosidades

Goutyne
By Goutyne
Alcorão História, significado, e curiosidades

O alcorão é o principal instrumento que rege a religião muçulmana. Mas você conhece o alcorão? Sabe o que está escrito nele?

Provavelmente você já deve ter ouvido falar sobre o alcorão. O livro que dita muitas coisas dentro da religião muçulmana. Ou seja, ele é a base das pessoas que seguem os seus ensinamentos. Inclusive, o alcorão não é muito entendido entre as pessoas do Ocidente.

Geralmente, por estar ligado diretamente com terroristas e pessoas extremistas, ele não é aceito como algo benéfico. No entanto, há pessoas que usam o livro e seguem a religião, e que não são más. Isso resulta de uma grande generalização. Ou seja, buscam algo ou alguém a quem culpar. Tudo por conta de interpretações diferentes que o livro provoca.

Assim como a bíblia, no cristianismo, o alcorão gera diversas interpretações. Porém precisa ser visto com sabedoria. O livro é envolto em mistério para o Ocidente, não se tem conhecimento a respeito do que há escrito. Muito menos sabe-se a respeito da história, ou curiosidades sobre ele. Confira agora tudo isso e muito mais.

O alcorão

Tudo começou em uma noite quando o mercador Muhammad ibn Abdallah dormia tranquilamente. Em uma caverna, que ficava não muito distante da cidade de Meca, atualmente a Arábia Saudita. Quando repentinamente foi acordado por uma presença divina. Na época, ele tinha 40 anos e aquela era sua primeira experiência com o sobrenatural.

Então, nessa aparição um anjo lhe ordenou: “Recita!”. Contudo, Muhammad tentou explicar que não era digno de falar as palavras divinas. Com isso, o anjo o abraçou com força, de modo que ele relaxou e soltou todo ar do pulmão. Então o anjo insistiu, “Recita!”.

Dessa forma, o mercador obedeceu e começou a recitar. E recitou novamente, e toda vez quando o anjo falava, ele recitava. Isso durou cerca de 23 anos, até sua morte , em 632 d.C.

As palavras divinas ditas por Muhammad, ou melhor, Maomé, como é dito em português. Durante o califado de Omar, em 650, tais palavras foram transcritas em um livro. Foram postas versículo por versículo no alcorão, em árabe, recitação. Curiosamente, a escrita árabe não contém vogais, consta apenas consoantes. Conforme lendas, dizem que as vogais foram postas mais tarde no texto.

Atualmente, o livro é seguido por um quarto da população. Ou seja, 1,3 bilhões, incluindo, principalmente, os extremistas e terroristas.

O que significa?

O nome alcorão, é uma forma árabe da sua origem, que é síria. Ou seja, é uma mistura dessas duas línguas. Portanto significa “lido” ou mesmo “recitado”. Segundo as tradições muçulmanas, o livro é uma série de revelações que Alá (Deus) fez à Maomé.

Essas revelações, como foi dito anteriormente, foram feitas nas primeiras décadas do século VII. Inclusive, começaram em Meca (Mekka), que é a cidade-natal de Muhammad, e Medina (al-Madinah).

Como é o alcorão

Como e o alcorao

Ele está dividido em 114 capítulos (suras). Os títulos que estão contidos no livro não estão associados ao texto. Ou seja, são completamente aleatórios. Dessa forma, a obra tem os capítulos que ainda são divididos em versículos (ayat). Devido ao problema dos títulos, consequentemente, as edições nem sempre serão iguais.

O árabe em que está escrito o alcorão se difere dos demais. Porque é uma mistura de prosa e poesia sem métrica. Além de ser difundida entre os beduínos. Como forma de transmitir uma literatura essencialmente oral. A partir da língua usada no livro, acabou-se gerando árabe literário clássico.

Tudo porque o alcorão foi recitado e quando passado para a forma escrita, as regras gramaticais começaram a ser implementadas. Isso, no século VIII pelos filólogos. Dessa forma, continuaram usando o árabe literário clássico. Atualmente é o idioma oficial dentre vários dialetos que são falados no mundo islâmico. Ademais, o alcorão possui estilo alusivo e elíptico. Com isso, sua gramática e vocabulário são complicados. Portanto está sujeito a diferentes interpretações.

O que há nele?

Em seu conteúdo, consta um conjunto de preceitos e, basicamente, recomendações éticas e morais. Além de advertências sobre o dia da chegada do Juízo Final. Inclusive, também histórias de profetas antes de Maomé e povos a quem foram enviados. Preceitos sobre religião, vida social, matrimônio, divórcio ou até mesmo herança.

No entanto, a mensagem principal é que há apenas um Deus. No qual, se deve servir e ele é o criador de tudo. Por isso deve-se praticar o culto e seguir vigiando sobre a conduta correta, conforme o alcorão. E também, que ele é misericordioso e tem se voltado para a humanidade por meio de seus profetas. Dessa forma, a humanidade precisa venerá-los, como forma de respeito a Deus.

Compartilhe Este Post
By Goutyne
Follow:
Bem-vindo ao nosso site dedicado ao entretenimento e cultura! Aqui, você encontrará uma variedade de conteúdos envolventes sobre filmes, séries, resenhas de livros e ofertas imperdíveis.